quinta-feira, 13 de outubro de 2011

TUDO O QUE QUERO É PAZ E DIGNIDADE.


Sempre busquei ser uma pessoa do bem e de bem, não gosto de bate boca e brigas, quando acontece sinto-me péssima, fico entristecida, tendo razão ou não, sempre acho que melhor e ser  elegante e evitar confrontos.
Em 2010 estando na  casa dos meus sogros , me envolvi numa  situação simplesmente ridícula e é com vergonha do fato que testemunho aqui. Meu marido e portador da BIPOLARIDADE do nível mais severo da doença, além disso, ele tem síndrome do pânico e agora fobia, imaginem ficar um ano dentro de  casa com portas e janelas fechadas com panos para não ver a luz do dia, ou sair apenas anoite para não correr o risco de encontrar com um conhecido, e quando encontrar não reconhecer quem era, quem  não é bipolar não tem a menor ideia do sofrimento que essas pessoas passam, não sabem a profundidade das dores que sentem ou confusão mental que tem, não entendem como pode uma pessoa aparentar normalidade, boa saúde, quando na verdade está adoecido por dentro, visualmente não se pode detectar um portador por não ser como um tumor exposto ou diabético que onde está se aplica insulina, ninguém entende que a deficiência esta no cérebro e que por causa disso afeta toda pessoa. Eu estou cansada triste, pois convivo com um portador que é um homem maravilhoso, inteligente, gente boa, que sempre quis o bem das pessoas e o que vejo e o mal que as pessoas fazem com ele e comigo que estou ao lado dele apoiando ajudando em suas crises. Meu sonho era casar construir minha família com dignidade e harmonia, mas o que tenho passado parece verdadeiro circo de horrores. Na família do meu marido ninguém acredita em sua doença tirando um ou dois,  meu marido trabalhou a vida toda como produtor em nosso estado, trazia peças de teatro, bandas de rock, trabalhou com umas 60 bandas daqui do estado,  sem contar com seu trabalho de jornalista, em fim, mais por causa do seu transtorno que começou aparentar em 98 ele só vem piorando, e os amigos se afastaram, e as bandas o demitiram e as portas de emprego se fecharam,  e os projetos que trabalhou madrugada fora foram por água abaixo. E a segurança que sempre buscou nos pais que lhe eram seu porto seguro agora já não o tem mais de sua mãe ouviu dizer que nunca se toparam e que não queria em sua casa, e de seu pai ouviu dizer que não era mais seu amigo, de dois irmãos ouvimos que somos vagabundos,  isto porque meu marido tem sido mantido por meu sogro que é quem paga as despesas e os medicamentos por Otávio não conseguir trabalhar sua saúde mental e física só piora ainda mais depois que fomos agredidos por dois de seus irmãos dentro da casa dos meus sogros, num dia em que fomos tomar café da tarde e pegar o dinheiro do medicamento que faltava já há três Dias. Nessa agressão eu fui machucada por meus cunhados e xingada juntamente com meu marido. Prestei queixa denunciei na lei Maria da penha mais por causa da chantagem de meus sogros precisei tirar a queixa para não prejudicar meus agressores seus dois filhos um advogado criminalista e outro estagiando na sejus. se eu não retirasse a queixa eles não nos ajudaria mais com as despesas e muito menos com medicamentos psíquicos, e foi justamente o que fiz retirei a queixa o que não esperava e que após retirar a queixa meus agressores entrassem com uma ação contra mim me acusando de caluniadora e mentirosa recebi a intimação e na audiência e que eu fiquei sabendo da maldade que fizeram comigo, mais O DEUS que eu acredito não deixou o mal prevalecer e me livrou do processo que eles moveram contra mim. Pois a juíza não aceitou a acusação contra mim, e marcou outra audiência onde irei encontrar os meus agressores irmãos do meu marido frente a frente.
Hoje minha sogra virou pro seu próprio filho meu marido e disse que por causa dele ela esta brigando com os filhos; como assim? E Otávio quem briga por ele? quem luta a seu favor? quem o proteje contra esse irmão que só fazem ofender?  Ninguém! Essa semana ele ouviu da boca de sua mãe que ele estava morto pra ela.
Puta que eupariiiuuuu que mundo e esse que a família toda vira as costas pra uma pessoa doente. Se não sou eu a ama-lo e estar lado a lado com ele ele estaria completamente só,  já o teriam enfiado numa instituição de louco só para se verem livres do problema. Eu to cansada o único que me dá apoio chama se Deus, e minha mãe que pouco pode fazer diante desse tormento todo que temos suportado.
Onde podemos buscar apoio e pedir socorro nesses momentos? Qual órgão governamental pode nos ajudar nessa hora, onde estão leis mais severas pra punir pessoas que maltratam portadores de transtornos mentais e seus companheiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário